Isolamento, uma grande contradição

Isolamento, uma grande contradição

Estamos em tempo de Corona Vírus, e o que pode prevenir a saúde Física compromete a mental. Parece contraditório não é mesmo? Mas é isso realmente, uma contradição que vem preocupando as cooperativas e todos os demais segmentos. O que pode nos curar também nos fere.

Estamos vivendo um momento histórico, onde o mundo parou frente a uma pandemia, o coronavírus, e claro que esse isolamento mundial traria consequências intensas, não só na Economia, no Sistema de Saúde, mas também na psiquê humana. De repente, as pessoas tiveram de romper com suas rotinas, se afastar de amigos, familiares, deixar de sair de casa.

O coronavírus obrigou o mundo todo a mudar de hábitos. Passamos do relacionamento ao isolamento, a ter que conviver intensamente com a tecnologia para suprir nossas necessidades de afetos, e claro, que mesmo assim essa necessidade ficou comprometida, pois não podemos abraçar, beijar, dar um aperto de mão, nem se quer encostar a mão no ombro amigo. Realmente nada de contato, pelo menos a um metro de distância. Triste não?

O convívio com o outro é tão benéfico à saúde, que promove a liberação de hormônios, chamados do bem, como a ocitocina, hormônio que vem da interação de afeto. E sem esse convívio a propensão a quadros de desequilíbrios aumentam significativamente.

Podem surgir frente a pandemia, doenças causadas pelo stress, quadros de ansiedade, depressão, fobias, compulsões alimentares, temos um rol de neuroses a disposição do Covid infelizmente. Pensando nisso, para reduzir um pouco esses danos, temos que pensar em soluções que estimulem ou pelo menos mantenham a saúde Mental, como:

  1. Sono. É importante manter o horário habitual de dormir, com períodos de sono adequados e  de forma disciplinada. Por estar em casa, a probabilidade é de ficar mais tempo deitado. Então a dica é movimentar-se e dormir somente quando estiver com sono.
  2. Atividades que causam bem-estar. Busque fazer o que agrada e gera prazer, música, leitura, conversas, jogos eletrônicos, palavras Cruzadas, artesanato, um bom filme. Se sentir bem é a dica, vai ajudar o tempo passar.
  3. Dose as informações. Regule o consumo de notícias. Veja só o suficiente para garantir uma boa prevenção, sem excesso, nem de mais, nem de menos. O importante é não ficar aleio a tudo que está acontecendo, afinal estamos em meio a uma pandemia.
  4. Se conectar às pessoas queridas: A tecnologia permite nos aproximarmos, mesmo que a distância, das pessoas que amamos. É muito importante fortalecer essas relações, através de ligações, skype, chamada de vídeo, e-mail. O importante é estar conectado.
  5. Rotina. Tente manter uma rotina próxima a que fazia antes da Pandemia, pelo menos manter horário de acordar, de fazer as refeições, estudos, trabalho, agora em Home Office. A rotina é importante para amenizar as mudanças e efeitos do isolamento. Para quem tem criança pode ser ainda mais estressante esse período. Por isso, para facilitar os cuidados, é interessante seguir uma série de hábitos em casa com os filhos também, como: horário de acordar, de fazer as obrigações, de divertir, se exercitar. O recomendado é manter as responsabilidades e não encarar como se a quarentena fosse férias.
  6. Escolha um projeto. Não precisa ser nada grandioso, mas é interessante ter um propósito, um compromisso consigo mesmo para não ficar com a sensação de tempo perdido. Faça um lista com afazeres, como ler um livro, organizar um armário, fazer um curso on-line.
  7. Home Office: É muito importante que se tenha um local especifico para o trabalho, então se possível, separe um local, sem tanto conforto para não dar sono, porém iluminado e arejado. Não pode ser deitado no sofá ou na cama. Coloque uma cadeira e tente recriar um espaço o mais parecido possível com o do seu trabalho.
  8. Atividades Físicas: A prática de exercícios físicos nesse período é muito importante, pois possibilita a liberação de hormônios do prazer, aumenta a circulação, diminuindo assim risco de doenças cardiovasculares.
  9. Ver o copo meio cheio. Ver o lado bom de cada situação pode ajudar a evitar pensamentos negativos num momento de crise mundial como agora. Pense em tudo que pode aprender com isso e aproveite para curtir o tempo com a família, ressignificar sua relação com filhos, lar e com o trabalho.
  10. Vestuário. Vista uma roupa legal, não fique de pijama o dia inteiro. É importante cuidar Da auto-estima, então cuide do cabelo, unhas, maquiagem, vista uma roupa bonita que lhe proporcione bem estar.

Os desafios da quarentena são inúmeros. Para os que são mais ativos, a probabilidade de ficarem mais angustiados é maior do que aquelas que tem uma vida mais tranquila. Então não se alarme, mas procure ajuda de amigos, familiares ou profissional se tiver sintomas como:

  • Acesso de raiva, impulso à violência;
  • Forte comportamentos compulsivos (comer exageradamente, lavar demasiadamente as mãos) que maltratam seu corpo;
  • Tristeza profunda por vários dias, desânimo geral;
  • Palpitações, ataques de ansiedade e crises de pânico;
  • Também vale ficar atento a sintomas físicos que podem estar relacionados a transtornos emocionais.

Em virtude da quarentena do coronavírus, os conselhos de psicologia liberaram os atendimentos on-line e estão disponibilizando uma lista dos profissionais que atendem por Skype. A Chave da Questão é um site(gratuito) que reúne psicólogos que poderão ajudar pessoas que estejam ansiosas, depressivas, agressivas, compulsivas ou com medo demais. O atendimento é online e gratuito. Para casos mais graves com ideação suicida: Disque 188 para o Centro de Valorização da Vida (CVV).

Além e todas as recomendações para tornar esse período um pouco menos estressante, o trabalho também pode ajudar muito, pois tem um papel central na vida das pessoas, já que grande parte do tempo é em função de sua atividade profissional,e/ ou, se preparando por meio de estudos e treinamento para conseguir algum trabalho ou promoção. Para Morin e Tonelli e Pliopas (2003), o trabalho faz parte da construção da identidade de um indivíduo e também de seu desenvolvimento pessoal. Não é apenas um meio de ganhar a vida, mas um processo de criação.

Um ponto importante, que deve ser ressaltado positivamente com a Pandemia foi a união e envolvimento fraterno das pessoas, valores esses tão praticados no mundo cooperativo. Há muito não se via tantas pessoas dispostas a ajudar, a cuidar dos menos favorecidos. Podemos afirmar que em meio a tantas perdas, tivemos um ganho na atitude humana inigualável.

Ajudar o próximo, transformar o mundo em um lugar mais justo, feliz, equilibrado e com melhores oportunidades para todos é o que se resume a filosofia cooperativista. Essa filosofia, que parece simples nem sempre é praticada, mas muito almejada.

Atualmente todas as ações que se convergem para atos humanitários, de cooperação estão sendo evidenciados, mas não podemos deixar que essas ações, atitudes e maneira de pensa e agir sessem junto com a pandemia. Precisamos o manter o que de bom a Covid nos trouxe, e o cooperativismo entende isso muito bem, pois essa é sua razão de existir.

Quando pessoas se juntam em torno de um mesmo objetivo, para alcançarem um bem comum o ciclo da abonança surge, e traz consigo ganhos para as pessoas, para o país e para o planeta.  Isso é cooperar. Agir de forma simultânea e coletiva com outros para o mesmo fim, ou trabalhar juntos para o êxito de um mesmo objetivo ou propósito.

O cooperativismo, com sua filosofia, com seu jeito de atuar perante as comunidades, certamente viverá a epidemia do Corona Vírus de forma muito mais segura e preparada mentalmente, pois a prática do bem comum já faz parte de sua existência.

No entanto, mesmo tendo sua filosofia, é super importante em momentos de crise como esse que estamos vivendo do Corona Vírus, que as cooperativas e empresas dos mais diversos segmentos, se preparem para acolher seus colaboradores, que poderão estar vivendo muitas dificuldades, como o desemprego familiar, dificuldade financeira, perda de um ente querido, etc.

Uma alternativa interessante frente a esse cenário de dificuldades seria criar ambientes de escuta para esses colaboradores ou programas de apoio, como “Escuta Psicológica”, onde os colaboradores poderão levar suas demandas a um profissional de Psicologia o qual fará o acolhimento e direcionamento necessário. É importante que essas ações tenham profissionais devidamente treinados e capacitados para isso.

Caso surja ou se manifeste em algum colaborador sintomas de doença mental, é saudável a empresa apoiar a pessoa, criando um espaço de conduta segura e humanizada para o acolhimento.

Para aqueles que foram impactados no trabalho pela pandemia, e que de alguma forma precisam ressignificar sua carreira, o coaching é uma excelente opção, pois facilita o desenvolvimento de competências, e promove o direcionamento assertivo a novos caminhos. Então aqueles que perderam seus empregos ou sofreram algum tipo de rebaixamento podem transformar a crise em uma oportunidade de mudança profissional, e com a orientação de um bom profissional, essa mudança terá muito mais chance de ser assertiva.

Cabe a reflexão, não só as cooperativas, mas para todas as organizações, que além de ações de identificação de doenças mentais, é importante trabalhar na prevenção do problema, oferecendo ao colaborador apoio quando necessário e um ambiente profissional mais saudável.

Deixe uma resposta

Fechar Menu